Transgêneros

Mostra no Museu Nacional discute os desejos e direitos dos transsexuais

Com o objetivo de colocar em debate tema tão atual e urgente, a Escola Lacaniana de Psicanálise de Brasília, o projeto CineCAL no Museu e o Programa Cinema no Museu  realiza nos dias 8, 9, 10 e 11 de novembro, às 19h, no Auditório II do Museu Nacional,  a mostra Transgêneros. Privilegiando não só as questões psicanalíticas, mas, também as jurídicas, o evento, com entrada franca,  busca dar visibilidade aos sujeitos de desejo e de direitos.

O comovente e premiado Minha vida em cor de rosa, de 1997, do belga Alain Berliner, aborda a homossexualidade através dos olhos de uma criança. Baseados em fato reais, Meninos não choram, de 1999, que deu a Hilary Swank o Oscar de melhor atriz, explora as contradições e preconceitos de uma cidade do interior dos Estados Unidos.

O polêmico Transamérica, de 2005,  muito aplaudido pelo público e crítica, discute não apenas a sexualidade, mas, também transformação e transição e  o delicado. A garota dinamarquesa, de 2016, conta a história do pintor Einar Wegener, o primeiro homem a fazer cirurgia de mudança de sexo.

Além da exibição dos filmes, a mostra vai contar com uma  exposição fotográfica de Dália Hofmann e debates com especialistas convidados pela Escola Lacaniana de Psicanálise de Brasília.

Programação

Dia 8 de novembro (terça-feira)

Minha vida em cor-de-rosa (Bélgica, França e Reino Unido).  Direção de Alain Berliner, 1997, 88 min. Ludovic, um garoto transsexual que está começando a assumir sua verdadeira identidade perante o mundo, sonha em se casar com o filho de sua vizinha.  O rumo que ele dá pra sua vida surpreende sua própria família e os vizinhos, que não conseguem aceitar, de fato, a felicidade, os desejos e a real identidade de Ludovic. Classificação indicativa: 14 anos

Debate com a advogada, Priscila Morégola, o advogado,  Ricardo Sakamoto,  a promotora de Justiça, Aymara Marinho, e  a psicóloga Sandra Baccara.

Dia 9 de novembro (quarta-feira)

Meninos não choram (EUA). Direção de Kimberly Peirce, 1999, 118 min. Teena Brandon se tornou Brandon Teena e passou a reivindicar uma nova identidade, masculina, numa cidade rural de Nebraska.Mas, quando a identidade sexual de Brandon vem público, a revelação ativa uma espiral crescente de violência na cidade. Classificação indicativa: 18 anos

Debate com a advogada, Liliana Marquez,  a juíza do TJDFT, Ana Louzada, o advogado  Bryan Rocholl,   e a psicanalista Alba Escalante.

Dia 10 de novembro (quinta-feira)

Transamérica (EUA). Direção de Duncan Tucker, 2005, 103 min. Uma orgulhosa transexual de Los Angeles economiza o quanto pode para fazer a última operação que a transformará definitivamente numa mulher. Mas, tudo muda, quando ela recebe um telefonema de um jovem preso em Nova York, que está à procura do pai. Ela se dá conta de que o jovem deve ter sido fruto de um relacionamento seu, quando ainda era homem. Classificação indicativa: 16 anos

Debate com as advogadas, Renata Vilas- Bôas e Renata Cysne, e o psicanalista  Wadson Damasceno.

Dia 11 de novembro (sexta-feira)

A garota dinamarquesa (Alemanha, Reino Unido e EUA). Direção de Tom Hooper, 2016, 119 min. A história do pintor dinamarquês Einar Wegener que, em 1931, foi a primeira pessoa a se submeter a uma cirurgia de mudança de sexo, tornando-se uma mulher e passando a se chamar Lili Elbe. Classificação indicativa: 14 anos

Debate com os advogados, Flávio Louzada e Dimitri Sales, o psiquiatra, Gabriel  Graça de Oliveira, e o psicanalista Abílio Ribeiro Alves.

Serviço
Mostra Transgêneros
Dias 8, 9, 10 e 11 de novembro de 2016
Local: Auditório II do Museu Nacional da República (Esplanada dos Ministérios)
Entrada franca
Informações: 3321.5811 (CAL), 3325.5220 (Museu Nacional)

Brasília, 9 de novembro de 2016
Núcleo de Comunicação Social da CAL