Um mártir da paz

Evento celebra o 37º aniversário de morte do padre Óscar Arnulfo Romero

Assassinado em 24 de março de 1980, enquanto celebrava missa na capela do Hospital da Divina Providência  em San Salvador, o arcebispo  da capital salvadorenha, Dom Óscar Arnulfo Romero, tornou-se o símbolo máximo da luta pela defesa dos direitos humanos no país, um mártir da paz. Nesta quarta (22/03), a partir das 19h30, no Auditório II do Museu Nacional da República, a embaixada de  El Salvador no Brasil, em parceria com a Casa da Cultura da América Latina da UnB (CAL/DEX),  dá início à celebração do 37º aniversário da morte do arcebispo e do Dia Internacional para o Direito à Verdade sobre Graves Violações de Direitos Humanos e pela Dignidade das Vítimas.

Marcado pelo I Ciclo de Documentários sobre Dom Oscar Romero, o evento será aberto pela embaixadora, Diana Vanegas, e tem como convidados o diretor da CAL, professor Alex Calheiros, e  o historiador Sérgio Coutinho, ex-assessor da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil  (CNBB), professor do Centro Universitário  Iesb e  Faculdade Integradas Upis, que fará palestra. Ás 20h20, será exibido Romero. Uma voz universal, da cineasta Adriana Valle. Nos dias 23 e 27 de março, o ciclo continua no Auditório Gonzaguinha da CAL, com os filmes Romero, voz de los sin voz e Remembering Romero.

Nomeado arcebispo de San Salvador, em 1977, Dom Óscar Arnulfo Romero Galdámez, conhecido como Dom Romero, nasceu em agosto de 1917 numa família modesta em Ciudad Barrios (El Salvador). Ingressou no seminário, aos 14 anos,  e estudou Teologia na Universidade Gregoriana, em Roma. Ordenado sacerdote, em 1942, regressou a seu país, onde assumiu uma paróquia no interior, e, mais tarde, foi  transferido para a catedral de San Miguel, em San Salvador, onde ficou por 20 anos. Sacerdote dedicado à oração e à atividade pastoral, lutou corajosamente junto aos oprimidos, denunciando a repressão, a violência e a exploração imposta ao povo pelas forças de Direita que dominavam o país, como ocorria em toda a América Latina, no final da década de 1970. Naquele 24 de março, tombou executado pelo tiro certeiro de um atirador de elite do Exército salvadorenho.

Programação

22 de março de 2017 (quarta-feira)
Local: Auditório II, do Museu Nacional da República
19h30 - Boas vindas                                    
19h35 - Hino Nacional de El Salvador
19h40 - Hino Nacional da República Federativa do Brasil                             
19h45 - Palavras da embaixadora de El Salvador no Brasil, Diana Vanegas
19h55 - Palavras do diretor da Casa da Cultura de América Latina, professor Alex Calheiros
20h05 - Palestra do professor Sérgio Coutinho sobre Ms. Romero
20h20 - Exibição do filme Romero. Uma voz universal, da cineasta Adriana Valle (1h27min)
21h55 - Encerramento do evento

Dia 23 de março (quinta-feira)
Local: Auditório da CAL (SCS Quadra 04, Edifício Anápolis, térreo. Telefone 3321.5811)
19h30 - Romero voz de los sin voz, direção de Maite Carpio, 56h48

Dia 27 de março (segunda-feira)
Local: Auditório da CAL
19h30 - Remembering Romero, produzido pela JBA Productions, 25h42

Brasília, 21 de março de 2017