Raul Córdula

A exposição Raul Córdula – Antologia, em cartaz no Museu Nacional de Brasília, até 16 de outubro, conta com 32 obras que vão de pinturas, desenhos de várias dimensões, seis serigrafias, cinco impressões em canvas e uma escultura, um recorte do trabalho de Córdula, que produz na cena artística desde 1960.

Pintor, artista gráfico, cenógrafo, professor, crítico de arte e ativista cultural, Raul Córdula Filho dedica-se às artes visuais há mais de meio século. Paraibano nascido em 1943, em Campina Grande, está radicado desde 1976, em Olinda (PE). Em seu ateliê, o artista continua a compor obras inéditas ou a dar seguimento a séries ou etapas da sua própria pintura, desde que começou a expor em 1960.

Raul Córdula. Foto: Raul Kawamura

Apesar do recorte retrospectivo da exposição, a montagem também destaca trabalhos recentes de Córdula. Brigada da hora funciona como uma pintura coletiva aplicada sobre o que restou do Cine Duarte Coelho, em Olinda, onde o artista divide a autoria com outros nomes.

Sua obra é constituída por um importante conjunto de trabalhos em suportes diversos, com características do abstracionismo geométrico, do grafismo e da nova figuração brasileira, demarcados pela utilização de linhas, figuras, massas pictóricas, palavras e frases, bem como por trabalhos colaborativos.


Brasil 68, de Raul Córdula. Foto: Reprodução

Sob curadoria de Wagner Barja, artista plástico e coordenador do Museu Nacional da República, a mostra é realizada pelo Instituto Cultural Raul Córdula e Museu Nacional da República, e incentivo do edital da Funcultura/Governo de Pernambuco.

Serviço
Data: até 16 de outubro, terça a domingo, das 9h às 18h30
Local: Museu Nacional da República (Esplanada dos Ministérios)
Entrada gratuita

Fonte: Metrópoles, Portalseteartes, Revista continente

Brasília, 28 de setembro de 2016